Páginas

19.7.16

procurando mais segundas como 18 de julho

Clem Onojeghuo
Ontem fui com umas amigas assistir o filme mais falado das últimas semanas. Na verdade a gente pretendia assistir caça fantasmas porém euzinha cheguei atrasada e tivemos que pegar a próxima sessão que, no caso, era Dory. Eu nunca assisti Procurando Nemo. Pois é. Eu só queria deixar registrado algumas coisas que me chamaram atenção. 

Às vezes a gente precisa depositar tua confiança em alguém que talvez tenhamos acabado de conhecer. Como a Dory confiou no polvo pra ajudar a ela. Às vezes a gente cria uma amizade quando menos espera. E, olhando pela visão do polvo, às vezes a gente só precisa dar lugar. Vai ter aquele momento que a gente vai estar desgostoso da vida, chateado com alguma coisa que aconteceu, pode ser que tenha passado muito tempo e aquilo continue não nos deixando viver em paz. Mas a gente precisa é dar lugar pra que coisas novas entrem. Esquecer o passado e dar chance ao novo. 

Outra coisa, pode ser que a gente precise tomar exemplo de outro pra saber como agir como também pode ser que a gente precise olhar pra nós mesmos. Quando o peixinho pai do Nemo não sabia o que fazer ele pensou "O que a Dory faria?" Depois contou isso pra ela, quando ela precisou tomar uma decisão pensou "O que a Dory faria?" e conseguiu chegar aonde queria. A Dory precisou de alguém pra mostrar a ela que a solução estava nela mesma. Em agir como ela mesma agiria. Se eu for como eu realmente sou eu consigo chegar aonde quero. 

Dory também não desistiu. E valorizou os amigos. Ela já tinha conseguido o que queria, pra quê ir atrás dos outros peixinhos? Mas eles eram amigos. Ela valorizou essa amizade. E precisou dos outros amigos pra conseguir chegar neles. Entendo que nessa vida a gente sempre vai precisar de alguém, por mais independentes que sejamos. E que sempre teremos algo pelo qual correr atrás, algo que nos move, algo que nos faz viver. 

Depois do filme encontrei uma outra amiga que não via fazia um tempinho, comi um hambúrguer do Burger King que era muito apimentado e depois descobri que tinha ralapeño, mas era muito bom. Ficamos conversando (e rindo muito) depois voltei pra casa e fechei comendo pipoca assistindo novela.

Por mais segundas como essa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário